Pensamentos, desabafos, amores e desamores, encontros e desencontros, sentimentos contraditórios, palavras de conforto, tudo o que uma adolescente pensa ♥

As coisinhas que eu escrevo

Segunda-feira, 08 de Novembro de 2010


8 de Novembro de 2010


Querido A., 
         Ainda não consegui deixar de parte a tua pessoa nem deixei sequer de pensar em ti, por teimosia ou estupidez da minha parte.
        Saber que gosto de ti consome-me e persegue-me, vai-te embora da minha mente, por favor, deixa-me em paz de uma vez por todas, deixa-me ser feliz e voltar ao LS sem pensar que te vou ver!
       Tenho uma coisa para te contar, já se passou à tanto tempo, foi numa tarde de verão em pleno mês de Agosto que te vi com um amigo teu no LS, quando reparei que eras tu tirei o meu telemóvel do bolço dos calções e escrevi uma mensagem rápida à C. as minhas mãos tremiam, as minhas pernas também. A C. apostou comigo em como me ias mandar uma mensagem à noite a dizer que me tinhas visto, eu ganhei essa aposta, não mandas-te mensagem nenhuma, foi a prova em como és um cobarde e não queres saber de mim para nada, não sei para que é que me importo contigo. Mas esse momento não acabou assim, quando fui comprar os cadernos para a escola só via rapazes loiros à minha frente, um deles até se chamava A., não parei de tremer.
      Ontem voltei ao LS com a minha mãe, mal cheguei mandei mensagem à M. a dizer onde estava e que só esperava não encontrar ninguém indesejado, Tu,  respondeu-me um minuto depois e disse-me que eu esperava mas na verdade não queria. Eu queria ver-te é verdade, mas não sei como iria reagir, porque tu foste algo na minha vida e por muito que me custe admitir cresci contigo. 
     Vou acabar com esta carta, acho que não vale a pena escrever mais nesta página do meu caderno, não vou gastar nem mais uma gota de tinta contigo, não vou perder mais minutos da minha misera e infeliz vida a escrever-te uma carta, uma mensagem ou um comentário. Espero que seja a última carta que leias minha, aliás, não a vais ler porque nem sequer sabes que existo. 


Com amor, Kikas ♥
escrito por Daniela às 21:02